Gente e marketing como parceiros de negócio



Por Rodrigo Pádua


Como a gamificação, mentoria, onboarding Digital e modelo home office foram adotadas nas estratégias da área de Gente e Cultura da Stefanini.


Mudanças de mindset, geração de novos profissionais e o avanço da tecnologia provocaram um cenário crescente para novos modelos de negócios, comportamentos e engajamento com os colaboradores. E como desenvolver tudo isso internamente nas empresas?


As práticas inovadoras começam desde o ingresso do colaborador e durante toda a sua jornada profissional dentro na empresa. Segundo uma pesquisa da Society for Human Resource Management (SHRM), as empresas que proporcionam um processo de ingresso estruturado, percebem uma produtividade 62% melhor.


É aí que entra o Onboarding Digital, que concilia soluções e processos desenhados com Service Designer/UX/UI e Inteligência de dados&IA. São através dessas tecnologias que é possível realizar ações de integrações, estabelecer novos comportamentos (principalmente no home office) e aumentar o índice de permanência do colaborador em até 50% maior entre os novos contratados, segundo Aberdeen Group.


O programa de Onboarding pode ser utilizado para:


- Recrutamento & Seleção com Inteligência Cognitiva&IA


Nossa assistente virtual, Sophie, realiza o 1º contato com candidatos que se encaixam para uma determinada vaga e responde questões durante o processo seletivo, tornando a jornada do colaborador totalmente 100% digital.


- Disseminar a cultura virtualmente


Criando uma conexão através do Onboarding Digital, que concilia soluções e processos como UX e IA. Através delas realizando integrações, novos comportamentos e confiança no time.


- Vitrine de Talentos – Não demitir, realocar


Criamos um dashboard personalizado para todos os profissionais de RH da Stefanini terem a visão de todos os colaboradores alocados em clientes. Caso o projeto se encerre, o time pode realocá-los em novos clientes e projetos.


Vale lembrar que o programa de Onboarding não acaba quando termina. As empresas estão recalibrando seus processos de integração, encurtando prazos, acelerando algumas etapas e revisando técnicas. Porém, essas mudanças podem ser insuficientes para os recém-chegados, tanto para entenderem a cultura quanto para desenvolver relacionamentos na organização. Por isso, é preciso fazer investimentos no crescimento profissional dele, proporcionando oportunidades e aprendizados.


Conforme o Relatório de Aprendizagem da Força de Trabalho de 2018 do LinkedIn, 93% dos funcionários permaneceriam na empresa por mais tempo se ela investisse em suas carreiras. Por isso, estimulamos o job rotation, no qual o colaborador pode passar por diferentes departamentos até encontrar o que mais se identifica. Desde o início da pandemia, 100 funcionários já mudaram de área. Mesmo mudando de atuação, ele conhece a cultura da Stefanini e se adapta rapidamente ao novo projeto.


Na Stefanini também proporcionamos um ambiente de constante aprendizado por meio da nossa plataforma e-learning que promove treinamentos, trilhas de conhecimento e conteúdos sobre história e cultura da empresa. Tudo isso de forma interativa através da gamificação, que a cada interação na plataforma garante um "stefcoin", moeda digital que pode ser trocada por souvenires da empresa, novos cursos e outros benefícios.


Os stefcoins ajudam a retroalimentar o processo de desenvolvimento das pessoas na companhia e criam uma certa competição positiva, que traz engajamento. As pessoas podem guardar a moeda para trocar por cursos maiores.


Todas essas experiências digitais ganharam tanta relevância que criamos o Stefanini Everywhere, onde posições são desenhadas e vagas são abertas para o trabalho definitivo, desenhando em 3 modelos de atuação:


  1. Home Office Total - a atuação do colaborador é 100% remota

  2. Flex Time - o colaborador pode frequentar o ambiente de trabalho em dias determinados

  3. Presencial - para aqueles que desejam atuar 100% presencial


Dessa forma, o colaborador pode residir no interior ou cidades mais afastadas e atuar em uma multinacional de tecnologia, cocriando conosco para um futuro melhor.


Todas essas ações digitais também nos fornecem dados e insights para uma compreensão mais detalhada do Employer DNA; a composição genética da sua empresa que, se usada corretamente, pode transformar a maneira como é administrada e permitir que os líderes tomem decisões mais efetivas:


- Compreender o propósito da empresa

- Comportamentos das equipes

- Medir até que ponto os valores são vividos e respirados pela cultura


Assim como o DNA humano, os dados são complexos e vastos. Apesar de ter um excesso de informações coletadas, a maioria das organizações luta para desbloquear até mesmo uma pequena proporção do verdadeiro potencial de seu Employer DNA. É preciso também ter habilidades e compreensão necessárias para interpretá-los.


Rodrigo Pádua - VP de Gente e Cultura da Stefanini

© 2021 por ABPRH Associação Brasileira dos Profissionais de RH