O PAPEL DA INOVAÇÃO NAS EMPRESAS

Por Maristela Marquiafave

Diretoria de Conteúdo do Squad de Compliance e Boas Práticas



“A chave do sucesso nos negócios é perceber para onde o mundo se dirige e chegar ali primeiro.” “As únicas grandes companhias que conseguirão ter êxito são aquelas que consideram os seus produtos obsoletos antes que os outros o façam.” Bill Gates

Frequentemente ouvimos a máxima de que a inovação é um caminho sem volta e que vivemos em um mundo altamente criativo, acelerado, desafiador e agressivo. Sim, essa é uma verdade. No entanto, também costumamos ouvir que “inovação” está associada à “tecnologia”, mas cabe lembrar que o conceito envolve uma abordagem bem mais ampla.

A inovação no mundo corporativo, universo que nos interessa para esta análise, logicamente engloba, mas não se restringe, à adoção de tecnologias disruptivas e/ou a invenções. Para inovar, é preciso pensar fora da caixa e sair da zona de conforto, na busca constante de novos métodos para ampliação das empresas, tornando-as mais competitivas e rentáveis, com efetiva geração de valor, suprindo uma necessidade real.

Se perguntarmos a gestores de grandes corporações sobre o que de fato representaria hoje uma inovação relevante, provavelmente teríamos o anseio por algo que trouxesse efetivo retorno positivo para a empresa, seja no incremento das vendas e consequente aumento de faturamento, seja na melhoria dos processos, na otimização e redução de custos, mudança da trajetória no mercado, métodos mais ágeis, condições de trabalho mais favoráveis, dentre outros.

Daí podemos compreender o conceito real de inovação nesse cenário. Também podemos perceber que não apenas as grandes mentes estão aptas a inovar e desenvolver invenções mirabolantes, muito pelo contrário, a inovação no ambiente corporativo exige dedicação e desenvolvimento permanente, foco na trajetória e na essência do negócio, sendo recomendado ao empresário que se faça perguntas frequentes (e que se exercite em suas respostas), as quais poderão ajudá-lo na execução de novas ideias e na inovação contínua:

(i) quais são as dores e vácuos da empresa?

(ii) por que é tão relevante inovar dentro do segmento da empresa?

(iii) o que é possível fazer para que os processos da empresa sofram melhorias?

(iv) como vem sendo a atuação da liderança e o que é possível fazer para obter resultados melhores e diferentes daqueles alcançados até o momento?

(v) como a inovação poderá trazer vantagem competitiva à empresa em relação a outras iniciativas do setor?

Refletindo sobre esses questionamentos, validamos a necessidade da inovação frequente e podemos concluir que novas ideias não deveriam ser restritas ao topo da pirâmide hierárquica, nem tampouco a uma área específica da empresa. O pertencimento do time e o engajamento dos colaboradores faz nascer uma cultura inovativa nas organizações, o que é absolutamente positivo e rentável para o ecossistema empresarial.

Além disso, essa inovação integrada ajuda no desenvolvimento de novos modelos de negócio, novos serviços e melhoria dos processos para tornar a vida das pessoas mais fácil, sem contar que facilita que tais avanços cheguem de fato a quem precisa.

Aproveitemos para traçar um paralelo de todos estes conceitos com os profissionais de Recursos Humanos das corporações, a fim de destacar sua importância neste cenário. Este time estará apto a buscar os profissionais com o conjunto de habilidades adequadas à implementação de novas ideias e sua consequente aplicação de forma correta, bem como a fomentar o engajamento e embasar a cultura de livre inovação, dando liberdade e autonomia no processo a todos os níveis de colaboradores da empresa.

Logicamente esse não é um trabalho fácil e rápido, ainda mais em empresas que possam enfrentar algum tipo de choque entre inovações e metodologias mais tradicionais, por isso o destaque para o time de RH, capaz de gerar estratégias de atuação nessa seara, desenvolvendo, por exemplo, banco de ideias, programas de incentivo, exercícios e treinamentos de estímulo à criatividade, reuniões periódicas, entrevistas com todos os níveis da organização, gestão de processamento de ideias, tudo com rapidez, comprometimento e foco, sem deixar de lado os valores da empresa.

Com isso, temos como comprovação, que as corporações que mantêm uma cultura de inovação estão mais preparadas para imprevistos e tendem a ser mais visionárias, resilientes e eficazes, sem falar na maior adesão à sustentabilidade.

Assim, o constante estudo das lacunas da empresa, com foco na solução inovadora e no estímulo de todos os colaboradores, inevitavelmente resultará num ambiente mais saudável, menos burocratizado e mais forte nos momentos de adversidade, sendo que êxito e aumento de rentabilidade serão apenas uma consequência.