QUAIS AS TENDÊNCIAS DE RH QUE VIERAM PARA FICAR?


Do operacional ao tecnológico: As mudanças que as organizações precisam apostar

Realizar uma mudança de mindset corporativa e observar como os colaboradores estão encarando essa nova fase, são pontos fundamentais para que a adaptação ao novo normal seja positiva e eficaz.

O Future RH que imaginávamos já está acontecendo, a Pandemia só antecipou e reforçou um comportamento ainda mais digital. Agora, com o uso de ferramentas tecnológicas para os subsistemas do RH, a criação de novos hubs e o aprimoramento do pensamento coletivo são fundamentais. Essa é uma realidade que já vivemos, uma a vida digital e colaborativa, mesmo que a distância.

Nesse cenário de mudanças, o setor de recursos humanos tem um papel fundamental para auxiliar as organizações a se adaptarem e de forma ágil. Logo, para implementar uma nova cultura corporativa, os profissionais de RH precisam estar atualizados sobre as todas essas transformações.

Em uma pesquisa realizada pela Think Work Lab, apresentou que RHs são crescentemente estimulados a inovar e ter uma atuação mais ampla e relevante, mas as demandas operacionais e a falta de recursos continuam a ser um desafio.


Todos esses números nos mostram que o setor de RH precisa se inovar ainda mais. Mas, não pense que é só isso. Afinal, há uma longa jornada a ser percorrida.

Com o auxílio de ferramentas e softwares de RH com mapeamento de perfis comportamentais, o RH precisa deixar de ser somente um parceiro e tornar-se um protagonista no sucesso empresarial.

E como o RH pode ser protagonista no sucesso do negócio e quais tendências de RH que vieram para ficar?

1) Trabalho Híbrido: Unir o melhor das duas realidades (home office x presencial). Dados de uma pesquisa realizada pela Robert Half (ICRH), apontam que, dos 1.161 profissionais entrevistados, cerca de 66% almejam a jornada de trabalho híbrida por promover a flexibilidade.


2) RH Estratégico: Reduzir retrabalhos e fazer com que os profissionais da área visualizem quais são os processos que podem ser melhorados e otimizados pelo uso da tecnologia.


3) Employer Experience: Trazer para o RH uma nova forma de gerenciar as práticas de gestão de pessoas e colocar as necessidades do colaborador como principal foco na tomada de decisões. Isso é realizado a partir de um profundo conhecimento dos talentos da empresa (Life Long Learning), entendendo quais são os seus valores e dialogando para oferecer motivação e engajamento a partir disso. Falo mais sobre a jornada do colaborador neste artigo: A jornada do colaborador.


4) People Analytics: Funciona em 4 etapas: coleta de dados de diferentes canais, cálculo de turnover, análise de gatilhos da rotatividade e, por fim, modelagem. As respostas oferecidas pelo People Analytics podem te ajudar inclusive nas práticas de Employee Experience.


5) Transformação da Cultura Organizacional: Em um momento de transformação digital nas organizações, principalmente na comunicação à distância, é fundamental que o RH esteja munido de dados e estratégias para que o sentimento de pertencimento não diminua na organização. Logo, com o auxílio de um software de RH, é possível mapear o perfil comportamental dos colaboradores. Um exemplo disso é o pacote de benefícios flexíveis.


6) Saúde Mental dos Colaboradores: A implantação de horários flexíveis, programas de ginástica laboral, palestras com dicas para evitar o esgotamento mental e apoio psicológico gratuito, tendem a evitar o estresse no trabalho, preservando a saúde mental do time


7) Diversidade & Inclusão: Promoção da diversidade dentro da organização já no momento do recrutamento e seleção, realizando processos seletivos igualitários. E não estamos só falando de igualdade em relação a raças, pessoas LGBTQIA+ ou na disponibilidade de vagas para pessoas com deficiência.


8) Gamificação: Os resultados de uma equipe submetida a um treinamento baseado nas técnicas de gamificação costumam ser surpreendentes. Por isso, as empresas devem levar a metodologia para outros campos, sendo um deles o recrutamento e a seleção externa e interna.


9) Inteligência Artificial no Recrutamento & Seleção: Nesse sentido, a grande promessa para o próximo ano são ferramentas de ATS, do inglês Applicant Tracking System, traduzido como Sistema de Rastreamento de Candidatos. Esses sistemas conseguem transformar a divulgação de vagas, atração de talentos e triagem dos currículos em um processo muito mais ágil do que é atualmente.

As tendências de RH são muitas. Essas tendências devem se estender para fora da empresa, compreendendo que todos os aspectos da vida de uma pessoa estão conectados entre o profissional e o pessoal. Assim, o RH estará cumprindo seu verdadeiro papel: cuidar das pessoas.

E para cuidar de pessoas, o RH precisa de cuidados.

Para conseguir cuidar bem dos outros, é importante antes de mais nada olhar para si. O profissional de RH não deve ser muito duro consigo mesmo e nem se cobrar excessivamente. O momento é de incertezas e angústias para todos, o que abrange inclusive as pessoas que são responsáveis por essas temáticas. O cenário pede compaixão com os outros e consigo mesmo.


Por Athayde Mendonça

Gerente de Desenvolvimento Humano & Marketing na Brasil Risk

Vice Presidente de Gente & Gestão na ABPRH